Narguilé traz malefícios mais severos do que o cigarro

Fumar tabaco usando o tradicional cachimbo árabe é um costume centenário no Oriente e que recentemente chegou aos bares e cafés brasileiros, atraindo, principalmente, a atenção dos jovens. Com um aroma agradável, o narguilé consegue disfarçar malefícios que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais severos do que os do cigarro. Para se ter uma ideia, uma sessão média do produto equivale ao consumo de 100 cigarros. Normalmente compartilhada em confraternizações e encontros de amigos, a piteira do narguilé é outro ponto que chama a atenção dos especialistas. De boca em boca, ela aumenta as chances de transmissão de doenças graves, como a hepatite C. Tamanhos estragos fizeram com que o narguilé se transformasse no alvo do Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado amanhã. O Instituto Nacional de Câncer, responsável pelas atividades que acontecerão no país, em conjunto com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), constatou que o cachimbo já é usado por pelo menos 300 mil pessoas no Brasil. Pneumologista do Hospital Anchieta e professor da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Alberto de Assis Viega ressalta que a inalação do monóxido de carbono (CO), substância responsável por doenças cardiovasculares, é um dos principais problemas desse tipo de cachimbo. “A fumaça dele tem maior concentração de CO porque, além do tabaco, há o carvão”, explica o médico. Em termos de nicotina, há uma concentração um pouco maior do que a encontrada no cigarro. De acordo com um grupo de pesquisa na área da Universidade da Califórnia, o Tobacco-Related Disease Research Program, 45 a 60 minutos de consumo de narguilé expõem o fumante à mesma quantidade de nicotina encontrada em um maço de cigarro. “As pessoas acham que a água consegue filtrar a nicotina, mas estão erradas, pois essa substância não é solúvel em água”, esclarece Viegas. Outro equívoco cometido pelos usuários é acreditar que alguns produtos utilizados no narguilé são livres de nicotina. “Se você ler a caixinha com uma lupa, verá que há, sim, nicotina. As essências ajudam a melhorar o paladar e fazem com que a pessoa trague com maior profundidade e intensidade, mas não existe tabaco para narguilé sem a nicotina”, alerta o pneumologista, que destaca ainda o risco da transmissão de doenças pela piteira, como herpes, hepatite C e tuberculose. Viegas chama também a atenção para outro hábito perigoso que envolve o uso do narguilé: a mistura de maconha, vodca, tabaco e essência no mesmo recipiente. “Esses jovens estão inalando três drogas. Isso está acontecendo com frequência e é muito mais grave.” Exemplo familiar Dados da pesquisa Vigilância de Tabagismo em Escolares (Vigescola), do Ministério da Saúde, revelam que de 20% a 45% dos adolescentes de 13 a 15 anos já experimentaram cigarro e pelo menos 10% fumam. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), o exemplo vem de casa. Pais (52%), mães (44%) e irmãos (36%) dos alunos fumantes também são viciados em tabaco. “As crianças até conhecem os riscos, mas seguem o modelo de comportamento visto em casa. Entendem que aquilo é normal e, quando dão por si, também estão fumando”, analisa Márcio Gonçalves de Sousa, coordenador do Comitê de Controle do Tabagismo da SBC. Sousa ressalta que a vaidade muitas vezes leva as adolescentes ao vício, já que um dos efeitos mais evidentes do tabaco é a perda de apetite. “O cigarro é estimulante e acelera o metabolismo. A indústria percebeu que, hoje, a bola da vez são as jovens. Por isso o lançamento de embalagens e latinhas coloridas e cigarros cada vez mais finos, que remetem à silhueta esbelta”, observa o médico, que também alerta para o fumo passivo. Segundo ele, há diariamente sete mortes relacionadas a essa situação no país. “As partículas do cigarro ficam na roupa e no cabelo, e não apenas no ar. A criança é mais suscetível, pois possui o pulmão virgem, fazendo com que as células de defesa entrem em guerra com o corpo. Há ainda os componentes alérgicos relacionados à exposição crônica à fumaça, que tem 10 vezes mais nicotina”, explica Márcio.

No Banner to display

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*